segunda-feira, 18 de julho de 2016

A HISTÓRIA DO ACRE E DA MAÇONARIA ACREANA – OSMIR D’ALBUQUERQUE LIMA FILHO Artigo 283, com publicação em 16.07.2016

O estado do Acre, localizado na Região Norte onde estive nos dias 3 e 4 de junho em missão maçônica, participando do Programa IRMANAR, da Assembleia Federal do Grande Oriente do Brasil, presidida por Múcio Bonifácio Guimarães, faz fronteira com a Bolívia e o Peru . Na minha curta permanência senti a vibração de um povo maçônico que tem na liderança o Grão-Mestre Estadual José Rodrigues Teles. Tive a oportunidade de ouvir na abertura do evento, um vibrante orador, com um texto de alto conteúdo histórico alvo de aplausos intensos.

Osmir D’Albuquerque Lima Filho, iniciado em 1968 na Loja Fraternidade Acreana. Maçom culto, de boa conversa e com uma história de vida permanente em defesa do Acre, o que ele muito demonstrou quando representante do seu povo no parlamento brasileiro, em exercício como deputado federal. Foi um dos que assinaram a Constituição de 1988, junto com Ulysses Guimarães.

Registro aqui em sua homenagem a aos maçons do GOB-Acre, trechos do seu discurso, com interpretação teatral, que a todos os presentes emocionou. 

“Inicialmente agradecemos a presença tão honrada de nossos líderes do Grande Oriente do Brasil em nossa terra.

Vamos começar mostrando o Acre que pouca gente conhece. Esta é uma terra de bravos, pois pertence à Federação brasileira por opção de sua gente que se rebelou contra a orientação do poder central brasileiro e conquistou pelas armas sua independência em relação à Bolívia.

Nós fomos um país independente por duas vezes: a primeira vez com a “República de Galvez”, em 14 de julho de 1899, cuja lembrança é a bandeira que nos serve de símbolo, mas de efêmera duração, dissolvida em 15 de março de 1900, por intervenção militar brasileira, que devolveu o território à Bolívia; e a segunda vez com o “Estado Independente do Acre”, fundado em 27 de janeiro de 1903, que teve seu término com a incorporação ao Brasil através do Tratado de Petrópolis, firmado em 17 de novembro de 1903, pelo Brasil e a Bolívia”.

Na sequência do seu pronunciamento, enfatizou que: “Naquela época a enorme quantidade de borracha produzida pelo Estado insurreto teria como contrapartida a imensa arrecadação de impostos, fator sobremodo determinante do interesse brasileiro pela região.

Quando incorporado o território passou a ser a terceira economia da federação brasileira, pagando em pouco tempo, com a renda da seringa, a pesada indenização de dois milhões de libras esterlinas exigidas pela república boliviana.

Por conseguinte, vê-se que o Estado do Acre não deve ao Brasil sua independência, conquistada por mérito de seu povo, seja pelas armas, seja pela indenização paga com o esforço do látex”.

Sobre a maçonaria na história do Acre afirmou que: “por isso é que começaram os primeiros movimentos autonomistas, e com eles, a própria história da Maçonaria Acreana. Maçons vindo de diversos lugares, atraídos pela riqueza da borracha, mas cultos e formadores de opinião, abraçaram a causa acreana em encontros que antecedem a fundação da primeira loja em nosso território.

E foi precisamente no município acreano de Xapuri, berço histórico de nossas lutas libertárias, que foi fundada a primeira loja maçônica, denominada “União Acreana”, em 02 de junho de 1904, dentro de uma lancha, talvez um fato inédito na história da maçonaria no Brasil. Depois foram fundadas as lojas “Igualdade Acreana”, em Rio Branco, em 1906; “Fraternidade Acreana”, em 1907, em Cruzeiro do Sul; “Libertadora Acreana”, em Tarauacá, em 1913; “Fraternidade Trabalho”, em Sena Madureira, em 1923; e “Tereza Cristina”, em Brasiléia, também em 1923, todas jurisdicionadas ao Grande Oriente do Brasil”.

Com a crise de 1927: “das seis antigas lojas a única que continuou pertencendo ao GOB foi a “Fraternidade Acreana”, por isso denominada de “A Fidelíssima” pelo GOB, e que hoje conta com 108 anos de existência, fundada em 19 de dezembro de 1907. É minha loja-mãe, e tenho a honra de representá-la na Soberana Assembleia Federal Legislativa Maçônica”.

“Esta centenária loja participou ativamente da história acreana, assim como as cinco antigas lojas que pertenceram ao GOB. A “Fraternidade Acreana”, através de seus líderes, deflagrou o primeiro grande movimento autonomista do Acre, em 1910, cuja aspiração maior era transformar o departamento do alto Juruá em Estado membro da Federação Brasileira. Um grande sonho dos juruaenses. E foi dentro do templo da “Fraternidade Acreana” que o Venerável Mestre João Craveiro Costa, professor e escritor, com apoio de outros membros, redigiu o “manifesto autonomista”, que contou com mais de oito mil assinaturas, encaminhado ao presidente da República, num protesto formal pelo abandono em que se encontrava a região”.

No decorrer de toda a nossa história vários protestos e movimentos libertários foram feitos, sempre com a presença ou por iniciativas de verdadeiros maçons. O último deles, o movimento autonomista que transformou o Acre em Estado membro da federação brasileira, no ano de 1962, do qual, por registro oficial, sou o único remanescente. Teve, também, a participação decisiva de vários maçons acreanos, todos do GOB, única potência maçônica existente em nosso Estado à época. 

No momento, o projeto maior que está sendo conduzido pelo Grão-Mestre José Rodrigues Teles, com o apoio de todos os nossos filiados, é a construção de nosso Palácio Maçônico.

Para concluir, veneráveis irmãos, faço uma exortação a todos os membros vinculados ao Grande Oriente do Estado do Acre, na qualidade de maçom mais antigo em atividade no nosso Oriente, usando uma frase de Albert Camus: “Não caminhe na minha frente, eu não posso seguir. Não caminhe atrás de mim, eu não posso conduzir, apenas caminhe ao meu lado e seja meu amigo” e meu irmão. 

Osmir D’Albuquerque Lima Filho, um dos grandes oradores que ouvi.

Barbosa Nunes, advogado, ex-radialista, membro da AGI, delegado de polícia aposentado, professor e maçom do Grande Oriente do Brasil - barbosanunes@terra.com.br

segunda-feira, 11 de julho de 2016

PÍLULAS MAÇÔNICAS – ALFÉRIO DE GIAIMO NETO Artigo 282, de Barbosa Nunes, publicado em 09.07.2016

Recebi autografado pelo autor, Alfério de Giaimo Neto, quando de palestra na capital paulista em 28 de abril de 2015, o livro de sua autoria intitulado “200 Pílulas Maçônicas”. 


É um maçom integrante da Loja “Jacques DeMolay”, de São Paulo, com uma atuação constante e pesquisadora. Membro da Academia Maçônica de Ciências e Letras, fundada pelo renomado escritor José Castellani. Articulista da revista Universo Maçônico. Já foi condecorado pela Câmara Municipal de Taubaté, pela Ordem dos Cavaleiros da Concórdia e recebeu a Comenda do Mérito Cívico e Cultural, oficializada pelo Ministério da Educação e Cultura. Profissionalmente é Engenheiro Metalurgista e Consultor Internacional em Metalurgia. Recentemente foi designado e empossado pelo Grão-Mestre Geral Marcos José da Silva, no cargo de Secretário Adjunto de Relações Exteriores do Grande Oriente do Brasil.

Para publicação de suas obras, esta a terceira, recebeu apoio e patrocínio dos maçons Egisto Rigoli, Júlio Takano, Osvaldo Zago e Lojas “Jacques DeMolay”, “L’Áquila Romana” e “Cavaleiros do Ocidente”. Seu objetivo é através de pesquisas em livros e enciclopédias, proporcionar em pílulas resumidas, a possibilidade de uma leitura fácil, de clara de percepção, de escritores como José Castellani, Nicola Aslan, Theobaldo Varolli Filho, Kurt Prober, Raimundo Rodrigues, Jules Boucher, Alec Mellor, Albert Galatin Mackey, Bernard Jones, Henry Wilson Coil e outros.

Trata-se de uma obra significativa para as Lojas Maçônicas e estudiosos da Arte Real. Os interessados em adquirir esta publicação, podem entrar em contato com alferiodegiaimo@yahoo.com.br

Na pílula número 49, está a pesquisa “Simbolismo da Luz na Maçonaria”.
“Já comentamos sobre Simbolismo e sobre alguns Símbolos pertencentes à Maçonaria. Vamos agora comentar sobre o termo simbólico “LUZ”, que foi traduzido e adaptado da “Masonic Holy Bible” dos EUA, Wichita, Kansas.


“LUZ é de longe o mais importante e misterioso termo na Maçonaria, que é assim aceito pela maioria dos membros da Fraternidade. É o primeiro dos símbolos apresentado ao Iniciado, e continua sendo mostrado a ele com várias modificações através de seu progresso na vida maçônica.

Representa como é aceito, “Conhecimento, Verdade ou Sabedoria”. Contem dentro de si uma alusão muito mais difícil de compreender dentro da essência da Maçonaria Especulativa, e abraça, dentro dela, o significado de todos os outros símbolos contidos na Ordem.


Maçons são enfaticamente chamados de “Filhos da Luz” porque estão, ou deveriam estar, na posse do verdadeiro significado do símbolo; enquanto os não-iniciados estão, pela analogia da expressão, na “Escuridão”.


Em todas as antigas religiões e em todos os “antigos mistérios”, a reverencia para a LUZ, como uma emblemática representação do ETERNO PRINCÍPIO DO BEM, é predominante.


Isto foi verdade no Hebraísmo e Judaísmo, e é verdade no Cristianismo; isto é verdade do começo ao fim do Ritual da Maçonaria. no sentido mais predominante.


A maior LUZ da Maçonaria é a Palavra de Deus; maçons são empenhados em solicitar dessa fonte de verdadeira luz e dos princípios da Ordem e crescer avançando na LUZ.


A fonte original de toda verdadeira LUZ MAÇONICA é Deus; somente os homens que caminham nessa luz podem evitar a “escuridão”; somente esses homens são ditos “Filhos da Luz””.


Concluo este artigo homenageando o irmão Alfério de Giaimo Neto, pela sua denodada persistência em pesquisar, registrando a pílula maçônica número 85, “Caráter Social da Maçonaria”. 


“Neste artigo, vou transmitir para todos aquilo que o Irmão Mestre Albert Gallatin Mackey afirma na sua “Encyclopédia of Freemasonry – vol 2”: Albert Gallatin Mackey, americano, um dos maiores historiadores maçônicos. Grande pesquisador da Ritualística e da simbologia maçônica. Nasceu em Charleston, Carolina do Sul, em 12 de março de 1807, falecendo em 1881.


A Francomaçonaria atrai nossa atenção como uma grande Instituição Social.


Deixando de lado, dentro da Loja, as distinções de posição e riqueza que são, contudo, necessárias no mundo para o progresso normal da sociedade profana, os seus membros reúnem-se em suas Lojas tendo em comum um nível de fraternidade e igualdade.


Somente as virtudes e os talentos constituem títulos e merecem preeminência, sendo o grande objetivo de todos o esforço para poder trabalhar melhor e colaborar ao máximo com todos.
A forte amizade e a afeição fraternal são incultadas ativamente e são assiduamente cultivadas com vínculo místico, distingue de maneira peculiar a sociedade ali formada.


Finalizando a Pílula Maçônica número 85, o autor usa a seguinte frase: “E é por isso Washington declarou que o benevolente propósito da Instituição Maçônica é de alargar a esfera da felicidade social e de promover a felicidade da raça humana”.


Parabéns ao irmão Alfério de Giaimo Neto pelo seu interesse e dedicação às pesquisas maçônicas.



Barbosa Nunes, advogado, ex-radialista, membro da AGI, delegado de polícia aposentado, professor e maçom do Grande Oriente do Brasil - barbosanunes@terra.com.br

quarta-feira, 6 de julho de 2016

LOJA 3 DE MAIO DE MARTINÓPOLIS EM SESSÃO DE HOMENAGEM


O Assessor Especial do GOB, Egisto Rigoli, representando a instituição, participou da sessão magna de entrega de comendas do Grande Oriente do Brasil, no dia 6 de abril, na Grande Benemérita da Ordem, "3 de maio" nº 1.228, na cidade de Martinópolis, São Paulo.

Foram entregues 13 comendas para os seguintes irmãos: Benemérito da Ordem para Eiji Yamamoto, Takaki Kawamoto, Jesus Martin, Irineu Camillo. Grande Benemérito da Ordem para Alvaro de Oliveira, Angelo Dare, Dimas Caliani, Decio Viaccava. Estrela da Distinção Maçônica para Odair Contini, Antônio Sergio Coimbra, Enio dali Fabbro. Cruz da Perfeição maçônica para Joaquim Reis e Cleidir Macedo. O Venerável Mestre irmão Leonardo Poloni Sanches foi condecorado com a Medalha da AMA (Associação Masonica de Artes).

Autoridades presentes, Egisto Rigoli, Assessor de Gabinete do Grão-Mestre Geral, representando os irmãos, Soberano Marcos Jose da Silva o Sapientíssimo Grão-Mestre Adjunto Eurípedes Barbosa Nunes, Deputado Federal Nelson Senteio Junior, Deputados Estaduais Faraj Hussein Zeneddine e Amauri G. Faxinasso, Coordenador Distrital Allison R Assis, Veneráveis Mestres das Lojas "Fraternidade de Paraguaçu", Jose A. S. D Antones e "Renascençã de Quatá", Jose Roberto Escala, Past Masters, Mestres, Companheiros e Aprendizes. Acompanhantes do irmão Egisto Rigoli, Fernando Matos e Rogerio Antoine Terzian.

quinta-feira, 9 de junho de 2016

O Poder das Palavras

Foi através do poder das palavras que o Criador trouxe à manifestação os Universos e todas as coisas e os seres visíveis e invisíveis, conforme registrado nos primeiros versículos do "Gênesis" segundo a doutrina cristã. Foi através do místico "AUM" que Ele criou o céu, a terra, os rios, os mares, as montanhas, as ervas, as árvores frutíferas e todos os seres viventes, incluindo, os anjos, deuses e homens. Entretanto, nos esquecemos que fomos feitos à Sua "imagem e semelhança" e que pelo mesmo poder criador construímos, o mundo em que vivemos. 

A história humana e todas as suas conquistas, vitórias e desventuras foi construída sobre os alicerces do pensamento (e das palavras faladas e escritas, que são a sua expressão no plano físico). Não há um movimento que se faça, em qualquer que seja o sentido, não há uma única peça no jogo da vida, que não seja movida pelo comando do pensamento, que nada mais é que a palavra ainda velada, ainda não manifestada.

As palavras e a sua expressão mais material - que é a palavra escrita - refletem o espírito de uma época, a essência moral e espiritual de uma civilização. 

Não é de se estranhar a turbulência por que passa o mundo. 
Quanta energia desperdiçada em obras fúteis, tolas, vazias, que nada acrescentam ao espírito humano!

Amor, Fraternidade, Perdão... Palavras ocas como a própria existência onde o homem luta com as mesmas ânsias de um naufrago!

Reflitamos nisso e tratemos de mudar esse contexto! Antes que seja tarde!

segunda-feira, 23 de maio de 2016

SHAKESPEARE FOI MAÇOM? - Artigo n° 275 - Barbosa Nunes

Encontrei em pesquisa, entre nomes famosos e históricos o nome de William Shakespeare, constando ter sido maçom. O ilustre escritor e pesquisador, com diversas obras produzidas, irmão Kennyo Ismail, em sua página "No Esquadro", aborda o assunto com o registro que transcrevo:
"Todos sabem que William Shakespeare é, sem sombra de dúvidas, o maior dramaturgo da história. Mas o que talvez poucos imaginem é que, entre tantos assuntos abordados por Shakespeare em suas inúmeras obras, um deles é a Maçonaria.
A Sublime Ordem pode ser encontrada de forma discreta em várias das obras de Shakespeare. Entre elas, podemos destacar as seguintes passagens: Obra: "Coriolanus": "Belo trabalho o vosso e o desses homens de avental, que importância dais tanto aos votos dos artífices...". Obra: "Ricardo III": "Podes, Ricardo, quando eu próprio o souber, porque juro que não sei ainda, mas, pelo que ouvi, ele crê em profecias e em sonhos, e do alfabeto escolhe a letra "G".
Por conta dessas e outras tantas passagens relacionadas ao Antigo Ofício, alguns Irmãos querem crer que Shakespeare era um maçom. E há ainda alguns desejosos de que Shakespeare seja o pai da Maçonaria Especulativa. É importante ressaltar que não há qualquer prova ou mesmo o menor indício de que Shakespeare teria sido iniciado nos Augustos Mistérios da Maçonaria.
Porém, a presença da Maçonaria nas obras de Shakespeare não deixa de ser importante, pois acusa a relevância social que a Maçonaria, no auge de sua transformação Operativa-Especulativa, experimentava entre o final do Século XVI e o início do século XVII, na velha Inglaterra. O prestígio da Maçonaria já era tal naquela época, unindo pedreiros, intelectuais, burgueses e nobres, todos como Irmãos, que talvez o próprio Shakespeare tenha se perguntado: "Ser ou não ser maçom? Eis a questão!" 
Seus textos literários são verdadeiras obras de arte e permaneceram vivas até os dias de hoje, onde são retratadas frequentemente pelo teatro, televisão, cinema e literatura. Nasceu em 23 de abril de 1564, em Stratford-Avon e faleceu em 16 de abril de 1616, com apenas 52 anos de idade.
Os textos de Shakespeare fizeram e ainda fazem sucesso, pois tratam de temas próprios dos seres humanos, independente do tempo histórico. Amor, relacionamentos afetivos, sentimentos, questões sociais, temas políticos e outros assuntos, relacionados a condição humana, são constantes nas obras deste escritor.
Principais obras entre outras, "Romeu e Julieta", "O Rei Lear", "Otelo e Hamlet", "Macbeth", "O Mercador de Veneza", "Sonho de uma noite de verão", "Megera Domada" e "Dramas Históricos".
A famosa frase "Ser ou não ser, eis a questão" (no original em inglês: To be or not to be, that is the question) vem da peça "A tragédia de Hamlet", príncipe da Dinamarca. Encontra-se no Ato III, Cena I e é frequentemente usada como um fundo filosófico profundo. Sem dúvida alguma, é uma das mais famosas frases da literatura mundial.
Para meditação, reflexão contínua, sugiro que os amigos de todos os sábados leiam e releiam, e aos irmãos maçons, um texto magnífico para interpretação nas Lojas, nos seus Tempos de Estudos, intitulado "Um dia você aprende...".
"Depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma. E você aprende que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança ou proximidade. E começa aprender que beijos não são contratos, tampouco promessas de amor eterno. Começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos radiantes, com a graça de um adulto - e não com a tristeza de uma criança. E aprende a construir todas as suas estradas no hoje, pois o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, ao passo que o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.
Depois de um tempo você aprende que o sol pode queimar se ficarmos expostos a ele durante muito tempo. E aprende que não importa o quanto você se importe: algumas pessoas simplesmente não se importam... E aceita que não importa o quão boa seja uma pessoa, ela vai ferí-lo de vez em quando e, por isto, você precisa estar sempre disposto a pedoá-la.
Aprende que falar pode aliviar dores emocionais. Descobre que se leva um certo tempo para construir confiança e apenas alguns segundos para destruí-la; e que você, em um instante, pode fazer coisas das quais se arrependerá para o resto da vida. Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias, e que, de fato, os bons e verdadeiros amigos foram a nossa própria família que nos permitiu conhecer. Aprende que não temos que mudar de amigos: se compreendermos que os amigos mudam (assim como você), perceberá que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou até coisa alguma, tendo, assim mesmo, bons momentos juntos.
Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito cedo, ou muito depressa. Por isso, sempre devemos deixar as pessoas que verdadeiramente amamos com palavras brandas, amorosas, pois cada instante que passa carrega a possibilidade de ser a última vez que as veremos; aprende que as circunstâncias e os ambientes possuem influência sobre nós, mas somente nós somos responsáveis por nós mesmos; começa a compreender que não se deve comparar-se com os outros, mas com o melhor que se pode ser.
Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que se deseja tornar, e que o tempo é curto. Aprende que não importa até o ponto onde já chegamos, mas para onde estamos, de fato, indo - mas, se você não sabe para onde está indo, qualquer lugar servirá.
Aprende que: ou você controla seus atos e temperamento, ou acabará escravo de si mesmo, pois eles acabarão por controlá-lo; e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa o quão delicada ou frágil seja uma situação, sempre existem dois lados a serem considerados, ou analisados.
Aprende que heróis são pessoas que foram suficientemente corajosas para fazer o que era necessário fazer, enfrentando as conseqüências de seus atos. Aprende que paciência requer muita persistência e prática. Descobre que, algumas vezes, a pessoa que você espera que o chute quando você cai, poderá ser uma das poucas que o ajudará a levantar-se. (...) Aprende que não importa em quantos pedaços o seu coração foi partido: simplesmente o mundo não irá parar para que você possa consertá-lo. Aprende que o tempo não é algo que possa voltar atrás. Portanto, plante você mesmo seu jardim e decore sua alma - ao invés de esperar eternamente que alguém lhe traga flores. E você aprende que, realmente, tudo pode suportar; que realmente é forte e que pode ir muito mais longe - mesmo após ter pensado não ser capaz. E que realmente a vida tem seu valor, e, você, o seu próprio e inquestionável valor perante a vida".
Esta mensagem escrita ha mais de 400 anos, serve de alento para nosso dia a dia, contribuindo para superar as dificuldades deste mundo violento.

Barbosa Nunes, advogado, ex-radialista, membro da AGI, delegado de polícia aposentado, professor e maçom do Grande Oriente do Brasil - barbosanunes@terra.com.br.

Fonte: http://www.gob.org.br/index.php?c=5561

segunda-feira, 16 de maio de 2016

PORTA DE SAÍDA PARA OS CORRUPTOS - Artigo n° 273 - Barbosa Nunes



Sempre reabasteço-me espiritualmente nas fontes da sabedoria de pensadores, homens de fé e símbolos de uma vida mais equilibrada, honrada e pacífica. Uma dessas fontes é o papa Francisco.

Veja bem o que ele falou, com certeza recebendo a total discordância dos corruptos, embora indicando uma saída para eles: "Há uma porta de saída para os corruptos, para os corruptos políticos, para os empresários corruptos e para os corruptos da igreja: pedir perdão! Isso agrada ao Senhor. O Senhor perdoa quando os corrompidos fazem o que fez Zaqueu: "Eu roubei, Senhor! Darei quatro vezes aquilo que roubei."

Oh meu Deus! Se estes corruptos, enganadores do povo brasileiro, assim fizessem e ao pedir perdão devolvessem apenas o que roubaram, a situação da saude, educação, segurança pública e outras necessidades vitais, estariam solucionadas. Este papa cresceu e cresce mais como símbolo de um novo caminho, porque fala a verdade, pois quanto aos corruptos, não eliminou os corruptos da igreja, que estão se locupletando da boa fé de muitos que acreditam nos milagres ofertados pelos serviços de som, programas televisivos e púlpitos e altares de Igrejas.

Um homem sábio que incentiva e nos fornece o reforço para enfrentar esta vida material e difícil, quando humildemente diz: "Não chores pelo que perdeste, luta pelo que tens. Não chores pelo que está morto, luta por aquilo que nasceu em ti. Não chores por quem te abandonou, luta por quem está contigo. Não chores por quem te odeia, luta por quem te quer. Não chores pelo teu passado, luta pelo teu presente. Não chores pelo teu sofrimento, luta pela tua felicidade. Com as coisas que vão nos acontecendo vamos aprendendo que nada é impossível de solucionar, apenas siga adiante".

Em homilia maravilhosa, para ler e reler várias vezes, afirmou:

"Você pode ter defeitos, ser ansioso, e viver alguma vez irritado, mas não esqueça que a sua vida é a maior empresa do mundo. Só você pode impedir que vá em declínio. Muitos lhe apreciam, lhe admiram e o amam. Gostaria que lembrasse que ser feliz não é ter um céu sem tempestade, uma estrada sem acidentes, trabalho sem cansaço, relações sem decepções.

Ser feliz é achar a força no perdão, esperança nas batalhas, segurança no palco do medo, amor na discórdia. Ser feliz não é só apreciar o sorriso, mas também refletir sobre a tristeza. Não é só celebrar os sucessos, mas aprender lições dos fracassos. Não é só sentir-se feliz com os aplausos, mas ser feliz no anonimato.

Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver a vida, apesar de todos os desafios, incompreensões, períodos de crise. Ser feliz não é uma fatalidade do destino, mas uma conquista para aqueles que conseguem viajar para dentro de si mesmo. Ser feliz é parar de sentir-se vítima dos problemas e se tornar autor da própria história. É atravessar desertos fora de si, mas conseguir achar um oásis no fundo da nossa alma. É agradecer a Deus por cada manhã, pelo milagre da vida.

Ser feliz, não é ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si. É ter coragem de ouvir um "não". É sentir-se seguro ao receber uma crítica, mesmo que injusta. É beijar os filhos, mimar os pais, viver momentos poéticos com os amigos, mesmo quando nos magoam.

Ser feliz é deixar viver a criatura que vive em cada um de nós, livre, alegre e simples. É ter maturidade para poder dizer: "errei". É ter a coragem de dizer: "perdão". É ter a sensibilidade para dizer: "eu preciso de você". É ter a capacidade de dizer: "te amo".

Que a tua vida se torne um jardim de oportunidades para ser feliz... Que nas suas primaveras seja amante da alegria. Que nos seus invernos seja amante da sabedoria.

E que quando errar, recomece tudo do início. Pois somente assim será apaixonado pela vida. Descobrirá que ser feliz não é ter uma vida perfeita. Mas usar as lágrimas para irrigar a tolerância. Utilizar as perdas para treinar a paciência. Usar os erros para esculpir a serenidade. Utilizar a dor para lapidar o prazer. Utilizar os obstáculos para abrir janelas de inteligência.

Nunca desista... Nunca renuncie às pessoas que lhes ama. Nunca renuncie à felicidade, pois a vida é um espetáculo incrível".

Estes homens do poder público e político, lá colocados pelo nosso voto, é bom que se diga, para clarear a consciência política de muitos, não devem ler um papa Francisco, especialmente, quando ele identifica no catálogo de doenças, 15 por ele citadas, quando descreve a primeira doença:

"A doença de se sentir imortal ou indispensável acomete os que se sentem "superiores a todos", e não "a serviço de todos". O papa recomendou uma visita a um cemitério para vermos os nomes de tantas pessoas que "talvez acreditassem que eram imortais, imunes ou indispensáveis". Sugiro a todos que leiam e meditem sobre as 15 doenças apontadas pelo papa, concluindo este artigo com a de número 15.

"A doença do prazer mundano e do exibicionismo. Quando o apóstolo transforma seu serviço em poder para obter mais proveitos mundanos e acumular ainda mais poder. São pessoas capazes de caluniar, difamar e desacreditar os demais para se exibirem e se mostrarem mais capazes do que os demais".

Meus agradecimentos a todos que nos distinguem com suas qualificadas leituras em todas as semanas, especialmente aos maçons, cunhadas e sobrinhos do Grande Oriente do Brasil, instituição a que pertenço e que muito me honro em ser o seu Grão-Mestre Geral Adjunto, percorrendo este Brasil para em contato com a base, que são as Lojas Maçônicas, absorver suas necessidades e angustias, para defendê-las em qualquer missão que me for confiada.


Barbosa Nunes, advogado, ex-radialista, membro da AGI, delegado de polícia aposentado, professor e maçom do Grande Oriente do Brasil - barbosanunes@terra.com.br.

Fonte:http://www.gob.org.br/index.php?c=5555

sábado, 14 de maio de 2016

MAÇONS - QUE GENTE É ESSA?

Que gente é essa? É gente de conteúdo interno que transcende a compreensão medíocre, simplória.
É gente que tem idealismo na alma e no coração, que traz nos olhos a luz do amanhecer e a serenidade do ocaso.
Tem os dois pés no chão da realidade.
É gente que ri, chora se emociona com uma simples carta, um telefonema, uma canção suave, um bom filme, um bom livro, um gesto de carinho, um abraço, um afago.
É gente que ama e curte saudades, gosta de amigos, cultiva flores, ama os animais, admira paisagens, escuta o som dos ventos.
É gente que tem tempo para sorrir bondade, semear perdão, repartir ternura, compartilhar vivências e dar espaço para as emoções dentro de si.
É gente que gosta de fazer as coisas que gosta, sem fugir de compromissos difíceis e inadiáveis, por mais desgastantes que sejam.
Gente que semeia, colhe, orienta, se entende, aconselha, busca a verdade e quer sempre aprender, mesmo que seja de uma criança, de um pobre, de um analfabeto.
É gente muito estranha os Maçons.
Gente de coração desarmado, sem ódio, sem preconceitos baratos ou picuinhas.
Gente que fala com plantas e bichos, dança na chuva e alegra-se com o sol.
Eh! Gente estranha esses Maçons.
Falam de amor com os olhos iluminados como par de luas cheia.
Gente que erra e reconhece. Gente que ao cair, se levanta, com a mesma energia das grandes marés, que vão e voltam. Apanha e assimila os golpes, tirando lições dos erros e fazendo redentores suas lágrimas e sofrimentos. Amam como missão sagrada e distribuem amor com a mesma serenidade que distribuem pão. Coragem é sinônimo de vida, seguem em busca dos seus sonhos, independentes das agruras do caminho.
Essa gente vê o passado como referencial, o presente como luz e o futuro como meta.
São estranhos os Maçons!
Cultuam e estudam as Sagradas Tradições como formas de perpetuar as leis que regem o Universo, passam de geração para geração a fonte renovadora da sabedoria milenar. São fortes e valentes, e ao mesmo tempo humildes e serenos.
Com a mesma habilidade que manuseiam livros codificados de sabedoria, o fazem com panelas e artefatos.
São aventureiros e ao mesmo tempo criam raízes, inventam o que precisa ser inventado. Criam raízes, inventam suas próprias histórias.
Falam de generosidade em exercício constante.
Ajudam os necessitados com sigilo e discrição.
Conduzem a prática desinteressada e oculta da caridade e do amor ao próximo.
Interessante essa gente, esses Maçons.
Obrigam-se nas tarefas, de estudar a Arte Real, de evoluir, de amar e dividir.
Partilham da mesa do rei e de um amigo montanhês com mesmo sorriso enigmático de prazer e sabedoria que iluminava a face de seus ancestrais.
Degustam um pão artesanal, com a mesma satisfação que o fazem em um banquete cinco estrelas.
Amam em esteiras e em grandes suítes, desde que estejam felizes, pois ser feliz e levar felicidade são sempre a única condição dessa gente estranha.
É gente que compra briga pela criança abandonada, pelo velho carente, pelo homem miserável, pela falta de respeito humano.
É gente que fica horas olhando as estrelas, tentando decifrar seus mistérios, e sempre conseguem.
Agradecem pelas oportunidades que a vida lhes dá. Aliás, essa gente estranha agradece por tudo, até pela dor, que tratam como experiência.
Reúnem-se em Escolas Iniciáticas que chamam de Lojas, para mutuamente se bastarem, se protegerem, se resguardarem, para resgatar valores, e estudar muito.
Interessantes são os Maçons.
Mas interessante mesmo é a fé que os mantêm vivificados ao longo de séculos.
Abençoada essa estranha gente.
É dessa estranha gente, que o Supremo Arquiteto do Universo precisa para o terceiro milênio.
É a essa estranha gente, de que sou parte, que desejo DE TODO MEU
CORAÇÃO, as mais ardorosas congratulações.

(Autor desconhecido)
Via Comunicação ECMAB

terça-feira, 3 de maio de 2016

DE JOÃO PESSOA À CATOLÉ DO ROCHA - ALTO SERTÃO PARAIBANO - Artigo n° 272 - Barbosa Nunes


Parafraseando Luiz Gonzaga: "Minha vida é andar por este país... Guardando as recordações, das terras onde passei, andando pelos sertões e dos amigos que lá deixei". Nada mais que uma vida de viajante por uma missão maçônica. O faço me enriquecendo espiritualmente nas idas e vindas.

Foi o que aconteceu nos dias 15, 16 e 17 de abril, quando conduzido por um grupo de maçons liderado pelo Grão-Mestre Estadual do Grande Oriente do Brasil - Paraíba, Geraldo Alves dos Santos, parti de João Pessoa para chegar a Catolé do Rocha, Alto Sertão Paraibano.
Antes passando por Campina Grande, Santa Luzia, Caicó, Patos e Pombal. No retorno por Brejo do Cruz, cidade marcada pela confecção artesanal, sobretudo de redes nordestinas.

Em João Pessoa, onde o sol chega primeiro e romântica com "Bolero de Ravel", estive em sessão e homenageado na Loja "Padre Azevedo". Padre Azevedo ficou conhecido por criar uma máquina de escrever a mão com o auxílio de apenas lixa e canivete. Só que a máquina não teve reconhecimento e o padre, com o passar dos anos, ficou esquecido no tempo. Existem suspeitas que o padre foi sabotado por um amigo estrangeiro, que roubou os seus projetos. Outras fontes garantem que o modelo da máquina de escrever brasileira foi transferida para os Estados Unidos ou Inglaterra por um estrangeiro, mas com autorização do padre Azevedo.
Segundo o biógrafo Ataliba Nogueira, o padre foi enganado e seus desenhos roubados. Tudo isso feito por um agente de negócios que o convenceu a não continuar o projeto da máquina e desistir de tudo. O padre aceitou essa ideia. O agente de negócios então roubou tudo sobre a máquina e entregou nas mãos do tipógrafo estadunidense Christopher Latham Sholes (1819 - 1890), que aperfeiçoou a máquina e a apresentou a todos como sendo seu o projeto, vindo a ser reconhecido como o inventor da máquina de datilografia.
Francisco João de Azevedo, o inventor da máquina de escrever, é hoje nome de rua, de uma Loja Maçônica, onde com muita honra estive e de uma escola de datilografia em João Pessoa, a cidade onde nasceu. No Recife, onde viveu a maior parte de sua vida e se ordenou padre, não há referências ao inventor nos museus do estado.

Fui levado pelo Grão-Mestre Geraldo Alves dos Santos, Grão-Mestre Honorário Aderaldo Pereira de Oliveira e maçons Eduardo Faustino, Guilherme Travassos Sarinho, Juvenal Da Roz, Gilvandro Ramos dos Santos, Antônio Mário, José Humberto de Souza, Almir Laureano, deputado estadual Lula, Davi Reis e pela presidente da Fraternidade Feminina Estadual, Miriam Castro dos Santos.
Em Santa Luzia visitamos a Loja "Vale do Sabugi", com um dos mais belos templos do Brasil, presidida pelo Venerável José Ivaldo de Morais, conhecidíssimo por "Galego". Muito emocionado, revi a Carta Constitutiva da Loja, por mim assinada, quando do exercício do Grão-Mestrado Geral.

Percorrendo os 480 quilômetros entre João Pessoa e Catolé do Rocha, vivi momentos extremamente felizes, descontraídos, com avaliações e análises de assuntos maçônicos, sempre com a boa palavra de Miriam Castro dos Santos e as intervenções inteligentes, curiosas, mas verdadeiras, de Davi Reis, por mim cognominado "Super Davi", pois está, segundo ele, 25 horas por dia, disponível para os maçons da Paraíba e do Brasil.

Catolé é uma palmeira nativa de abundância em outros tempos na região e Rocha, uma homenagem ao seu fundador que tinha este sobrenome. A história registra a presença de habitantes e fazendas de gado desde 1700 e as primeiras edificações iniciadas em 1774, pelo Tenente Coronel Francisco da Rocha Oliveira e sua esposa, Dona Brásida Maria da Silva.
Sua padroeira é Nossa Senhora dos Remédios. É muito hospitaleira, com aproximadamente 30 mil habitantes, uma das mais importantes do sertão paraibano. Chico César, uma dos filhos reconhecido na música popular nacional, canta a sua terra no seu hino:
"Volto a ti como um pródigo sem teto. Procurando o teu afeto. Oh meu Deus, quanto sofri, quando bem longe eu pensava em voltar olhando o céu azul, eu me punha a soluçar."

Em Catolé do Rocha na Loja "União Catoleense", presidida pelo Venerável Francisco de Lima, seis novos integrantes foram recebidos, Fábio de Oliveira, Josinaldo Trajano, Cristóvão Jaques, Evandro Osório de Lima, Francisco Dantas Veras Neto e Joaquim Daniel Junior. Solenidade altamente prestigiada por mais de 100 maçons da região, concluída socialmente em um evento referencial com jantar e homenagens às mulheres da maçonaria catoleense.

Concluo este artigo enviando aos paraibanos que estão conosco aqui todos os sábados, reconhecimento a um povo destemido, corajoso, uma terra cravada na história do Brasil por acontecimentos decisivos e a uma prática maçônica do Grande Oriente Estadual - GOB Paraíba, liderada pelo Grão-Mestre Geraldo Alves dos Santos, querido e admirado pela família maçônica daquele estado, pelo seu equilíbrio, mansidão e seguro no seu caminhar na Ordem Maçônica.

Para mim, mais uma vez gratificante, agora indo a ponto longínquo no Alto Sertão Paraibano, que é Catolé do Rocha, povo acolhedor e cidade agradável, que me proporcionou momentos inesquecíveis, por isto me defini no Grande Oriente do Brasil, "minha vida é andar por este país, guardando as recordações, das terras onde passei, andando pelos sertões e dos amigos que lá deixei".

Barbosa Nunes, advogado, ex-radialista, membro da AGI, delegado de polícia aposentado, professor e maçom do Grande Oriente do Brasil - barbosanunes@terra.com.br


quarta-feira, 13 de abril de 2016

LANÇAMENTO DA PEDRA FUNDAMENTAL DA LOJA LIBERDADE E UNIÃO


A Loja Maçonica Liberdade e União, primeira do Oriente de Goiânia e que tem como Venerável Mestre o Irmão Gesmar José de Oliveira, ritualisticamente lançou a pedra fundamental de sua nova sede e templo, acontecida no dia 2 de abril,    com as presenças de varias autoridades maçônicas, entre elas o Eminente Grão-Mestre do Grande Oriente do Estado de Goiás Luís Carlos de Castro Coelho Irmãos, cunhadas, sobrinhos e visitantes, ultrapassando cem pessoas. Destaque para as cunhadas da Fraternidade Cruzeiro do Sul Filhas de Hiram e da Fraternidade Feminina Estadual, com a sua presidente Janine Gomes de Gouveia Coelho.

O Venerável Mestre Gesmar José de Oliveira informa que a construção em área coberta alcançará cerca de 1600 metros quadrados, em dois pavimentos e uma área externa de estacionamento alcançando 3 mil metros, com previsão para conclusão nos próximos 12 meses. O projeto em suas etapas é parceria com a Fraternidade e Assistência de Menores Aprendizes, instituição que é integrada somente pelos Irmãos da Oficina. Foi montada uma comissão de construção, composta por Irmãos profissionais da engenharia, presidida pelo Irmão Alberto Sobrinho e supervisionada pelo Venerável Gesmar José de Oliveira e diretoria.

A Loja Liberdade e União é histórica, fundada em 1934, constando em seu quadro figuras as mais proeminentes desde a fundação da capital goiana. Jair Assis Ribeiro, que por 10 anos foi Soberano Grão-Mestre, pertenceu ao seu quadro. O Grão-Mestre do Grande Oriente do Estado de Goiás, Luís Carlos de Castro Coelho, foi dela Venerável por dois mandatos.

PARABÉNS IRMÃOS DA LOJA LIBERDADE E UNIÃO DE GOIANIA

PARABÉNS IRMÃO GESMAR JOSÉ DE OLIVEIRA

Fotos do Irmão Daniel Duarte, secretário de interior e Relações Publicas do GOEG

terça-feira, 12 de abril de 2016

SER HONESTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NÃO É UMA VIRTUDE, É ANTES DE TUDO UM DEVÉR - Artigo n° 269 - Barbosa Nunes


O Grande Oriente do Brasil, muito equilibrado, sem nenhum levante ou desobediência aos parâmetros cívicos e democráticos, se posiciona ao reencontro de um novo caminho, em respeito às instituições e volta do país à normalidade, sem quebrar o previsto na Constituição Brasileira, é uma instituição que nasceu para a Independência da Pátria.

Prestes a completar 200 anos, no próximo 2022, vem nos momentos atuais, sob a liderança do Grão-Mestre Geral, Marcos José da Silva, tomando posições avançadas e em sintonia com o povo maçônico. Exemplo disto é a lei da "Ficha Limpa", que foi projetada por Márlon Reis, maçom que mobilizou a sociedade brasileira na coleta de assinaturas para sua aprovação. Na sequência oficializou apoio ao Ministério Público Federal, buscando novamente assinaturas a favor do projeto "10 Medidas Contra a Corrupção".

Agora no mês de março, juntamente e com o respaldo dos Eminentes Grão-Mestres Estaduais de todo país, pelo Grão-Mestre Geral, com muita honra histórica, também por mim, como Grão-Mestre Geral Adjunto e corroborado pela Assembleia Federal Legislativa Maçônica, foi assinado o "Manifesto do Grande Oriente do Brasil pela moralidade da Gestão Pública", posicionamento de apoio à Operação "Lava-jato", assim exposto aos integrantes do GOB e à sociedade brasileira.

"APOIAR a "Operação Lava Jato", que diuturnamente revela à população brasileira, atos de corrupção e graves desvios éticos e morais, com repercussão direta na administração pública federal".

Prossegue: "Os fatos amplamente noticiados e apurados até aqui demonstram a contaminação de serviços e atividades públicas, formada por uma rede que pautou suas condutas contra o interesse público, em claro prejuízo e desserviço, não somente às Instituições Republicanas, mas sobretudo à sociedade e, em especial, aos menos favorecidos e carentes de educação, saúde, segurança pública e infra-estrutura com qualidade.

As propinas que brotam das licitações conduzidas e que alimentam as campanhas políticas, não saem unicamente das empresas envolvidas, mas indiretamente do bolso de cada brasileiro, que paga seus impostos por um serviço deficitário e às vezes inexistente em muitas cidades.

Sabemos que não existe lei que faça qualquer indivíduo ser honesto, pois isso é uma questão de princípio e na administração pública não é uma virtude ? é antes de tudo um dever, razão pela qual manifestamos o irrestrito APOIO aos Órgãos Federais, especialmente à Polícia Federal, ao Ministério Público Federal e ao Poder Judiciário Federal.

A todos os seus dignos representantes, diretamente envolvidos e comprometidos com o dever de investigar e aplicar a lei, indistintamente e independente de partido, ideologia ou condição social. Aos que praticaram esses crimes lesivos contra o povo brasileiro, devendo ser fomentado o absoluto respeito às instituições democráticas de Estado.

Temos a convicção que a partir da resolução desses episódios da vida pública, reencontraremos o caminho da República que todos desejamos para a estabilidade democrática, o respeito e a prática dos princípios da administração pública, o equilíbrio da economia e o bem-estar do povo".

Este é o teor claro, transparente do histórico Grande Oriente do Brasil, sempre presente em momentos decisivos e muito colaborando para o caminhar normal do nosso país, em documento assinado pelos Grão-Mestre Geral, Adjunto e Grão-Mestres Estaduais assim identificados.

Adalberto Aluizio Eyng (GOB-Santa Catarina), Américo Pereira da Rocha (GOB Espírito Santo), Antônio Francisco dos Passos (GOB-Mato Grosso), Antônio Pinheiro Barbosa Braga (GOB-Rio Grande do Norte), Armando Correa Júnior (Grande Oriente do Estado do Amazonas), Benedito Marques Ballouk Filho (Grande Oriente do Estado de São Paulo), Benilo Allegretti (Grande Oriente do Estado do Mato Grosso do Sul), Daury dos Santos Ximenes (GOB-Pernambuco), Derli Klusener (Grande Oriente do Estado de Alagoas), Édimo Muniz Pinho (GOB-Rio de Janeiro), Eduardo Teixeira Rezende (GOB-Minas Gerais), Geraldo Alves dos Santos (GOB-Paraíba), Geraldo Bento França (Grande Oriente do Estado do Tocantins), João Soares Gomes Filho (Grande Oriente do Estado do Maranhão), Jorge Pedron de Las LLanas (GOB-Rio Grande do Sul), José Antônio Dias Soares (Grande Oriente do Estado do Piauí), José Rodrigues Teles (Grande Oriente do Estado do Acre), Juraci Jorge da Silva (Grande Oriente do Estado de Rondônia), Lourival Mariano de Santana (GOB-Sergipe), Lucas Francisco Galdeano (Grande Oriente do Distrito Federal), Luis Carlos de Castro Coelho (Grande Oriente do Estado de Goiás), Luiz Rodrigo Larson Carstens (GOB-Paraná), Moacir Terrin Pereira (Grande Oriente do Estado do Pará), Raimundo Nonato Rodrigues Coelho (Grande Oriente do Estado de Roraima), Roberto Rocha Araújo (GOB-Ceará), Silvio Souza Cardim (Grande Oriente do Estado da Bahia) e Valdim Pereira de Souza (Delegado do GOB-Amapá).

Grande Oriente do Brasil, instituição essencialmente progressista e evolucionista, cujos fins supremos são, Liberdade, Igualdade e Fraternidade.


Barbosa Nunes, advogado, ex-radialista, membro da AGI, delegado de polícia aposentado, professor e maçom do Grande Oriente do Brasil - barbosanunes@terra.com.br





quarta-feira, 6 de abril de 2016

LOJA CAVALEIROS DE AÇO FAZ SUA PRIMEIRA INICIAÇÃO


A Loja "Cavaleiros de Aço" 4354, do Oriente de Goiânia, presidida pelo seu primeiro Venerável, Wolney Barros, integrada em sua maioria pelos "Bodes do Asfalto", foi muito prestigiada em uma sessão concorrida no dia, 30 de março, quarta feira, quando realizou sua primeira iniciação. Recebeu o candidato RODRIGO MACHADO, em uma sessão com 98 presentes de 41 Lojas, com as presenças dos Grão-Mestre Geral em exercício, irmão Barbosa Nunes, Grão-Mestre Estadual Luis Carlos de Castro Coelho, Sapientíssimo irmão presidente da Assembleia Federal Legislativa, Múcio Bonifácio, grande número de irmãos da Sereníssima Grande Loja, deputados federais, estaduais, secretários estaduais e assessores, Veneráveis Mestres, Mestres Instalados, Aprendizes e Companheiros.

No salão social houve um jantar, antecedido por homenagem à cunhada e família do novo maçom.

Fotos Daniel Duarte, Secretário Estadual de Interior e Relações Públicas do GOEG

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Capítulo DeMolay arrecada mais de uma tonelada de alimentos



No último dia 20, O Capítulo “União da Alta Paulista” - Nº 682 da Ordem DeMolay, realizou com sucesso o tradicional “Arrastão da Solidariedade 2016”.

Todos os anos, no mês de março, os jovens do Capítulo DeMolay, realizam em uma cidade, e esse ano foi em Dracena, o arrastão solidário, que tem como objetivo arrecadar alimentos não perecíveis, para serem doados às instituições assistenciais da cidade.

O projeto foi realizado em parceria com os jovens do Interact Club, Rotaract Club e Leo Club de Dracena, nos bairros do Palmeiras, São Cristóvão e Parque Dracena, onde conseguiram arrecadar mais de uma tonelada de alimentos.

A Ordem DeMolay, é uma instituição patrocinada pela maçonaria, para jovens do sexo masculino, com idade entre 12 e 21 anos, que tem como um de seus objetivos, a prática da filantropia e auxílio aos mais necessitados. Além desse objetivo, os jovens são norteados pelas 7 virtudes da Ordem, que são: Amor Filial, Reverência pelas Coisas Sagradas, Cortesia, Companheirismo, Fidelidade, Pureza e Patriotismo.

O código de ética de um DeMolay, diz que ele tem que respeitar e praticar alguma religião; honrar e respeitar todas as mulheres; amar e honrar os seus pais; ser honesto e leal a seus amigos.

O Capítulo “União da Alta Paulista”, é patrocinado pelas Lojas Maçônicas de Tupi Paulista, Dracena e Panorama, conta atualmente com mais de 30 membros, é presidido pelo jovem Caique da Silva Muniz, e supervisionado por um Conselho Consultivo formado por maçons, que é presidido por Nivaldo Dias Neves.

segunda-feira, 28 de março de 2016

PASSO FUNDO, TEIXEIRINHA E UM BELO TEMPLO MAÇÔNICO - Artigo n° 267 - Barbosa Nunes



Com meu reconhecimento aos maçons do Grande Oriente do Brasil, da cidade de Passo Fundo, Rio Grande do Sul, e por sugestão do Grão-Mestre Honorário do GOB-RS, Jorge Colombo Borges, produzo este artigo.

Em exercício do cargo de Grão-Mestre Geral, fui recebido em Porto Alegre pelo Grão-Mestre Estadual Jorge Pedron de Las LLanas, no dia 3 de março. Com ele frequentei a Loja "Amor e Caridade IV", presidida pelo Venerável Er Gonçalves Bandeira. Na oportunidade foi apresentado e a mim presenteado pelo autor Luiz Fachin, um volume da sua última obra maçônica, intitulada "Virtude e Verdade - Graus Simbólicos - Tomo I", editora AGE.

Na sequencia e no dia seguinte, fui levado à cidade histórica de Passo Fundo, distante de Porto Alegre cerca de 300 quilômetros. Neste dia 4 de março, a programação de início constou de homenagens pela Câmara Municipal de Passo Fundo, presidida pelo maçom, vereador Márcio Patussi, a mim, Grão-Mestres Jorge Pedron de Las LLanas e ao Grão-Mestre Honorário Jorge Colombo Borges.

Também às Lojas e seus Veneráveis, "Fênix" (João Darci Gonçalves da Rosa), "Cavaleiros da Arte Real" (Paulo Ricardo), "Estrela do Planalto" (Gleni Lemos Vieira) e "Giuseppe Garibaldi" (André Scopel). O ato foi motivado em face do templo que foi sagrado naquela noite.

A comunidade de Passo Fundo foi dignificada com um espaçoso e belo templo na cidade, nascido e construído com dedicação, esforço e sacrifício dos irmãos das Lojas "Fenix", "Cavaleiros da Arte Real", "Estrela do Planalto" e "Giuseppe Garibaldi", o que aconteceu na presença de mais de 100 irmãos.  A sessão foi conduzida pelo Venerável Mestre João Darci Gonçalves da Rosa, da Loja "Fênix". No salão social, junto com a família maçônica, foi servido churrasco tipicamente gaúcho.

No sábado 5 de março foi instituída a ação "Grão-Mestrado Intinerante - Prestação de Contas 2015 - Planejamento 2016", pelo Grão-Mestre Estadual do GOB-RS Jorge Pedron de Las LLanas, em reunião que contou com os veneráveis e irmãos da região.

A história de Passo Fundo é mais antiga que sua emancipação, que se deu em 28 de janeiro de 1857, mas de acordo com o historiador Fernando Miranda, há registros que em 1632 foi fundada nesta região, a "Redução de Santa Teresa", sem falar na população indígena, que é muito anterior.

Recebi do maçom Rubem Freitas e passa a fazer parte deste artigo, fotos da parte externa e do templo inaugurado.

Do maçom e deputado estadual José Carlos Moretti de Araujo, recebi dados os mais detalhados sobre a grandeza e importância de Passo Fundo, registrados no Anuário intitulado "Passo Fundo - Gigante do Norte".

Passo fundo teve um ícone da música regional que levou ao mundo o nome e os costumes da cidade. Vitor Mateus Teixeira, conhecido como Teixeirinha. Cidadão que sabia expressar a alma popular. Foi nome nacional, sustentou acirrado debate, frente a frente com um dos maiores apresentadores da televisão brasileira, Flávio Cavalcante.

Teixeirinha está imortalizado no coração dos gaúchos, especialmente de Passo Fundo, alvo de inúmeras homenagens, inclusive com nome de praça e uma estátua na principal avenida da cidade.

Passo Fundo foi para Teixeirinha, a sua amada terra, a terra do coração, o que expressou em várias canções, entre elas, a considerada maior de todas, "Gaucho de Passo Fundo".

"Me perguntaram se eu sou gaúcho, Está na cara repare o meu jeito, Sou do Rio Grande lá de Passo Fundo, Trato todo mundo com muito respeito. Me perguntaram qual era razão, Eu ter orgulho em ser passo-fundense, Eu respondi sou da terra do trigo, Tem um povo amigo e quando luta vence, É um pedaço do Rio Grande amado, Orgulha o estado e o povo riograndense".

Em outra poesia cantada, demonstrando sua saudade disse em "Cidade de Passo Fundo": "Eu sinto todos os dias, saudades no coração, Lembranças cheias de dores, do meu querido rincão, Saudades de Passo Fundo, pra matar recordação, Não é lá no fim do mundo, vai depressa esta canção.

Meus patrícios brasileiros, não nasci no fim do mundo, Minha terra é no Rio Grande cidade de Passo Fundo. A recordação dos pagos, dói uma barbaridade, Ao lembrar de Passo Fundo, minha querida cidade, Aqueles pagos da serra digo com sinceridade, Vou rever a minha terra, pra matar esta saudade.

O meu planalto serrano, meus senhores me acredita, não é por eu ser de lá, minha cidade é favorita, É terra de boa gente, minha palavra está dita, Lugar de homem valente, terra de moça bonita".

A passagem foi rápida, com certeza voltarei, pois de Passo Fundo já estou com saudades.

Ao retorno para Porto Alegre, junto com Jorge Pedron e Jorge Colombo Borges, ainda me deliciei, na cidade de Lajeado, do delicioso e famoso "Pastel do Veríssimo", que tem a ver com o escritor Luis Fernando Veríssimo, quando de um encontro de escritores sul-americanos que se reuniam há alguns anos. Uma parte da reunião era feita em Porto Alegre, outra na cidade de Passo Fundo e no meio do caminho, Lajeado, e seu shopping na beira da rodovia.  Numa parada aportaram em Lajeado e todos foram direto para a pastelaria, sob orientação do escritor, o que resultou numa crônica dele intitulada "Pastel do Veríssimo", exposta em mural bem produzido na respectiva pastelaria do shopping de Lajeado.

Experimentei o pastel e lhe dou nota 10. Aqueles que passarem por Lajeado, não percam a oportunidade de saborear o "Pastel do Veríssimo".

Obrigado maçons de Passo Fundo.



Barbosa Nunes, advogado, ex-radialista, membro da AGI, delegado de polícia aposentado, professor e maçom do Grande Oriente do Brasil - barbosanunes@terra.com.br.

Fonte: http://www.gob.org.br/index.php?c=5508

sábado, 19 de março de 2016

Augusta Loja de Perfeição Lusíadas n° 119



Em 19 de março 2016, a Grande e Augusta Loja de Perfeição Lusíadas n° 119 - Filiada ao Excelso Conselho da Maçonaria Adonhiramita para o Brasil - ECMAB, sob o Comando do TVP Amado Irmão Silvio Alves Branco - 33, reuniu-se em Sessão do Grau 4, no templo situado a Rua Augusta, 719 - Sobre Loja - Grande Vale de São Paulo, estando presentes nesta sessão os Amados Irmãos Arlindo Chapetta - 33 - Provedor Geral de Comunicação e Informática do ECMAB, Amado Irmão Humberto Yutaka Kagohara - 33 - Secretário Geral de Comunicação do ECMAB, Amados Irmãos André Otávio Assis Muniz - 33, Pedro Bueno Junior - 33, Vitor Orzinski - 33, Silvio Verdiani - 33, Adriano Lima Braga - 31, Ruberval Ramos Castello - 18, Abílio César Coelho Rocha - 4, foram entregues na Sessão os Diplomas de Reconhecimento de Grau, como Inspetores Gerais da Ordem Grau 33, para os amados irmãos Cláudio Antônio da Silva e Marcelo Pereira Rezende da Silva, que respectivamente se filiaram na G.:A.:L.: Perfeição Lusíadas - 119.

Nosso Eminentíssimo e Amado Irmão Waldemar Chaves Coelho - Patriarca Regente, parabeniza os amados irmãos da Lusíadas pela Sessão e dá bias vindas aos amados irmãos Marcelo e Cláudio, desejando a todos Paz e Fraternidade...

segunda-feira, 14 de março de 2016

CÂMARA MUNICIPAL DE PASSO FUNDO HOMENAGEIA LOJAS DO GOB


A Câmara Municipal de Passo Fundo, Rio Grande do Sul, na sexta-feira, dia 4 de março, homenageou as Lojas "Fenix", "Cavaleiros da Arte Real", "Estrela do Planalto" e "Giuseppe Garibaldi", através de diplomas e placas de honra ao mérito entregues pelo irmão e vereador presidente da câmara Márcio Patussi, em face do templo que foi sagrado naquela noite e que passou a ser, pela sua beleza ritualística, um ponto demonstrativo da força, união e dedicação dos maçons de Passo Fundo. O ato ocorreu na sala de reuniões da Câmara Municipal e presidido pelo seu presidente, vereador Márcio Patussi.

Foram homenageados também, o Grão-Mestre Geral em exercício Barbosa Nunes, o Grão-Mestre Estadual Jorge Pedron de Las LLanas e o Grão-Mestre Honorário Jorge Colombo Borges. Diploma especial foi concedido e entregue pelo presidente da câmara aos Veneráveis Mestres das Lojas "Fenix" (João Darci Gonçalves da Rosa), "Cavaleiros da Arte Real" (Paulo Ricardo), "Estrela do Planalto" (Gleni Lemos Vieira) e "Giuseppe Garibaldi" (André Scopel).

Fonte: http://www.gob.org.br/index.php?c=5485

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

LOJA LUZ DO ORIENTE DO GODF CONCEDE TÍTULO DE MEMBRO HONORÁRIO


Com as presenças do Eminente Lucas Francisco Galdeano, Grão-Mestre do Grande Oriente do Distrito Federal, do Poderoso irmão Reginaldo Gusmão de Albuquerque, Grão-Mestre Distrital Adjunto, do Eminente irmão Ruy Ferreira Borges, Secretário Geral da Guarda de Selos do GOB, do Eminente Walderico de Fontes Leal, Secretário Geral de Finanças do Grande Oriente do Brasil e dos irmãos Robinson Meira de Almeida Barreto, Secretário de Liturgia e Orientação Ritualística do GODF e de outras autoridades, foi realizada sessão para a concessão de Título de Membro Honorário ao irmão Leoncio Coelho dos Santos, Secretário de Liturgia e Orientação Ritualística Adjunto para o Rito Adonhiramita do GODF, em reconhecimento ao seu esforço e dedicação à instituição.

A sessão foi realizada no dia 4 de fevereiro no em Templo provisório do Grande Oriente do Brasil e conforme as fotos, muito concorrida.

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

VIVER COMO MAÇOM

 A Fraternidade Maçônica está alicerçada no rochedo da dignidade humana.
O principio fundamental da Fraternidade é que cada homem é individual e deve ser tratado como tal. Em cada homem há uma qualidade que merece respeito. A tolerância  esta ligada à democracia, pois a tolerância nos faz admitir, que nosso voto seja vencido, acabando-se os argumentos, feita a votação; o resultado tem que ser respeitado e apoiado para o bem da causa maior, isso é uma atitude tolerante. Notamos que a prática da tolerância é indispensável para todo aquele que a exige.

Dentro da Maçonaria, entendemos que a tolerância está ligada, como ponto de partida às concessões feitas para preservar as engrenagens da Ordem, que admite e respeita as opiniões contrárias. Devemos ser tolerantes com atos destemperados e isolados de irmãos, tolerantes com o desconforto causado por quem você jurou proteger e defender, sendo bondoso ao extremo em não tomar partido até que tudo seja esclarecido, pois o fato de não fazermos juízo precipitado, é uma das faces da tolerância. Precisamos ser tolerantes com a intolerância do outro, para que ele reflita e passe a seguir o seu exemplo.

A Maçonaria não é para qualquer pessoa. Nós guardamos muito bem nossos portais e deveríamos aceitar somente aqueles que nós acreditamos que somarão mais vigor.

Como construtores de melhores homens nesta era de conflitos e confusões que estão transtornando o mundo de hoje, nós podemos fazer a Maçonaria um modo de vida e uma mais valorosa contribuição para todos.

AQUI,            DEVEMOS TOMAR DECISÕES,
                        OU SOB CONSENSO AGRUPAR IDÉIAS
                        QUE POSSIBILITEM DECISÕES.

AQUI,            ESQUECEMOS NOSSA VAIDADE PESSOAL, E
                        COM HUMILDADE, OUVIR O QUE OS OUTROS
                        TEM A NOS DIZER.

AQUI,            SOMOS ANTES DE TUDO, SERES HUMANOS
                        DEFENDEMOS ARDOROSAMENTE NOSSAS IDÉIAS,
                        MAS ACEITAMOS A DECISÃO DO GRUPO,
                        SEM MÁGOAS PESSOAIS.

AQUI,            ENTRAMOS PARA CONTRIBUIR COM O NOSSO MELHOR
                        E SE O FIZERMOS, DAQUI SAÍMOS
                        COM A CERTEZA DO DEVER CUMPRIDO.

O que nos inspira é a elevação moral e espiritual que recebemos do fato de fazermos alguma coisa valer à pena. É a satisfação do trabalho fecundo um com outro, lado a lado, como membros da mais antiga Fraternidade do mundo. É a concordância da necessidade de servir a humanidade, o estado e o país onde vivemos – e mais importante de tudo, é aquele espírito fraternal, repleto de amor e afeição que nos une e cimenta como pedras vivas, para a construção do Grande Templo.

Resp.’. Ir.’. Silvio Alves Branco – M.I.
ARLS Urim & Tumin 4294
Rito Adonhiramita
GOSP/GOB